A Peste e a Pandemia: reflexões à luz de Albert Camus

Albert Camus, escritor de língua francesa, nasceu na Argélia, em 1913 (morreu em 1960), filho de família pobre, “pied-noir”, na preconceituosa expressão utilizada pela elite de então. Viveu os conflitos da descolonização da Argélia, espectador da luta feroz entre argelinos muçulmanos e franceses da extrema direita. Teve uma vida movimentada, seja como escritor, jornalista, filósofo, divulgador de ideias e militante. Homem ligado à esquerda, tendo inclusive lutado entre os Partisans na Segunda Guerra, nem por isso escapou da oposição dos comunistas e inclusive rompeu com J. P. Sarte, de quem era amigo, por este motivo. É que ele apreciava a frase do poeta americano Walt Whitman, “sem liberdade, nada pode existir”. Um de seus livros mais famosos, A Peste, narra o decurso de uma epidemia em Oran, na Argélia, onde ratos mortos são encontrados de forma progressiva nas ruas e nas casas, principalmente entre as famílias mais pobres, não por acaso, árabes. As autoridades decretaram, por fim, um “estado de praga”, com os muros da cidade sendo fechados e se impondo uma quarentena à população. Buscar em tal romance um paralelo com a situação atual da pandemia de coronavirus é algo irresistível… Continue Lendo “A Peste e a Pandemia: reflexões à luz de Albert Camus”

Escolhas forçosas…

Este coronavírus (prefiro chamá-lo assim, por um nome que todo mundo conhece), veio para virar o mundo de pernas para o ar. Quem tinha as pernas fora do devido lugar ou, pelo menos, o cérebro em tal condição, como o Presidente da República, parece não ter entendido as coisas direito. Mas não é o meu caso, nem dos distintos leitores deste blog, certamente. Na Itália, o mundo já está virado. Na Suécia e na Coreia do Sul, nem tanto. A esta altura dos acontecimentos, apesar da imprevisibilidade da pandemia, o Brasil ao que tudo indica vai, malgrado nosso, se achegar ao modo italiano e não ao escandinavo ou oriental. E entre tantos prejuízos, seja de vidas, de empregos, de credibilidades, de atividades econômicas, há um que talvez seja o mais dramático: o das escolhas forçosas que as equipes de saúde terão que fazer para decidir quais pacientes receberão as terapias necessárias, como é o caso dos ventiladores mecânicos, entre outras, e quais não terão tal direito, simplesmente porque não haverá equipamentos suficientes para todos. A situação italiana prima pela tragédia, mas pelo menos suscitou a elaboração de recomendações éticas para admissão a tratamentos intensivos, ou sua negativa, nas condições excepcionais de desequilíbrio entre necessidades e recursos disponíveis como se vê agora, conforme documento emitido pela Società Italiana di Anestesia Analgesia Rianimazione e Terapia Intensiva (Siaarti). Dramáticas escolhas de Sophia, sem dúvida, que ofereço agora aos meus leitores em tradução amadorística, mas sem dúvida, melhor do que nada. Nada indica que aqui em nossa cidade as coisas sigam de maneira diferente disso… Continue Lendo “Escolhas forçosas…”

Prescrição por enfermeira(o) em tempos de Coronavirus: pode? Deve!

Parece que a moda de dar um passo à frente e dois para trás pegou pra valer no Brasil. No Planalto isso acontece quase todo dia, é bem verdade que com preferência pelos passos em pujante marcha a ré. Aqui no DF a Secretaria de Saúde baixou portaria em janeiro pp. permitindo que as enfermeiras (e seus colegas masculinos) pudessem prescrever alguns medicamentos nas unidades de saúde – um avanço, sem dúvida. Um mês depois, todavia, mudou de ideia intempestivamente e revogou o dispositivo, alegando a necessidade de fazer estudos mais aprofundados. Tudo bem, mas seria de se esperar que tais estudos (seriam realmente complexos e herméticos?) já tivessem sido executados quando da publicação da portaria em janeiro. Mas tal não foi o caso. E no resto do mundo, dito civilizado, como acontece? No Reino Unido, Estados Unidos e Canadá, por exemplo, isso já é um dever de tais profissionais, que ficam assim mais gabaritados a assistir de forma plena os pacientes. Organismos internacionais como a OMS e seu ramo para as Américas, a OPAS, têm defendido uma “prática avançada da enfermagem”, na qual estão previstas as prescrições de exames e de medicamentos. Em tempos pandêmicos (não só em relação a virus, mas também nas besteiras perpetradas pelas autoridades, tal discussão passa a ser essencial! Continue Lendo “Prescrição por enfermeira(o) em tempos de Coronavirus: pode? Deve!”

No DF: o SUS que dá certo (e por quê?)

Publiquei há poucos dias um post aqui no blog, no qual chamei atenção dos leitores para aqueles anônimos e modestos personagens, a quem denominei de “Heróis das Quebradas”, que carregam nas costas, no dia a dia, as pontas das cordas do sistema de saúde do DF. Ainda quero falar deles, agora para tentar entender melhor o que significa aquele “dar certo” que coloquei no título da matéria. Na ocasião, minha abordagem foi superficial, pois apenas comentei, assim mesmo de passagem, cerca de duas dezenas de matérias recolhidas no site da SES-DF durante a primeira metade do mês de fevereiro do corrente ano. Mas há muito mais a dizer sobre tal tema, sem dúvida. Este “SUS que dá certo” se refere a conquistas e sacadas de que se orgulhariam ingleses, canadenses e portugueses, por exemplo, cujos países possuem sistemas de saúde realmente bem estruturados. E material bem mais farto e sistematizado sobre isso é o relatório da Mostra de Experiências realizada em 2017 pela SES-DF, reunindo variadas práticas de saúde originadas das unidades ambulatoriais, hospitalares e complementares, além de instituições parceiras e associadas, em nossa cidade. Vale a pena voltar ao assunto, mesmo decorridos mais de dois anos e tendo feito comentários sobre o evento em duas ocasiões anteriores. Mas hoje quero acrescentar um aditivo, que é o seguinte: por que deu (e dá) certo? Continue Lendo “No DF: o SUS que dá certo (e por quê?)”

Saúde publica e privada: um diálogo possível?

Em termos formais, parece que a atuação pública e a privada em saúde, no Brasil, estão irremediavelmente apartadas. Desconfianças recíprocas alimentam tal dissensão, algumas fundadas em fatos bem reais. Assim, um lado vê, no outro, fonte inesgotável de corrupção; o outro retruca com acusações de ganância e desumanidade – para dizer o mínimo. Mas na era de incertezas em que vivemos, para o bem ou para o mal, não custa nada indagar: tem que ser assim sempre? Pensando nisso, resgato algumas coisas que vi e ouvi, convidado que fui a uma reunião do lado “deles”, ou seja, um simpósio organizado pela Confederação Nacional da Indústria, em novembro de 2018, para buscar entre seus associados, consensos a respeito de como buscar ou prestar serviços de saúde mais qualificados (e menos onerosos, claro) a seus funcionários. O foco era os serviços médicos empresariais, aliás, muito frequentes e atuantes em empresas médias e grandes, com oferta de grande volume em consultas e procedimentos diversos. Segue um resumo do que ouvi por lá, com uma tentativa de síntese e conclusões ao final. Continue Lendo “Saúde publica e privada: um diálogo possível?”

Por uma atuação realmente avançada da Enfermagem em nossos serviços de saúde

Já vi gente acreditar que a expressão “paramédicos”, mais utilizada nos EUA e outros países do que aqui no Brasil, por sinal, significaria algo como “para, a favor, em auxílio dos trabalhos médicos”. Na verdade, este “para” que está aí é o mesmo que está na palavra “paralelo” e com isso o assunto ficaria definido? Penso que não. O que quero discutir aqui não é exatamente a anteposição de uma acepção (falsa) versus a outra, supostamente “correta”. Acho que precisamos – nós todos que somos envolvidos com a atenção primária à saúde e, principalmente, a nobre categoria da enfermagem – ir além.  Enfim, nem “para” nem “para…”, mas sim encarar a autonomia e as responsabilidades verdadeiramente cruciais (e mais: insubstituíveis e jamais apenas “paralelas”) de tal profissão no bom desempenho dos serviços de saúde.   A OPAS e OMS acabam de lançar um material essencial sobre tal assunto, o livro “Ampliação do papel dos enfermeiros na atenção primária à saúde”. Ler mais… Continue Lendo “Por uma atuação realmente avançada da Enfermagem em nossos serviços de saúde”

O SUS vive!

Hoje vamos abrir uma exceção e publicar uma entrevista com um terceiro, fugindo da rotina deste blog. Mas trata-se de uma pessoa notável, amigo de muitos brasileiros, do Brasil e do SUS. Ele é Renato Tasca, italiano de Turim e responsável pela área de serviços de saúde da OPAS no Brasil. Mais brasileiro do que muitos brasileiros! Ele falou à jornalista Cristiane Segatto sobre o momento atual do nosso SUS, segundo ele um dos maiores programas sociais não só do Brasil como do mundo todo. Ele é taxativo “ na maioria dos países e, sobretudo, naqueles do tamanho do Brasil (China e Índia), não existe nada como o SUS. Se o pobre quiser uma cura, tem que pagar. Ter um SUS é o grande sonho de consumo dos cidadãos de muitos países. Nos Estados Unidos, o número de famílias que se ferram, que perdem tudo por causa de contas de hospital é enorme”. E prossegue: “é uma pena que hoje todo o esforço na criação e desenvolvimento do sistema não seja reconhecido. Hoje as pessoas acreditam mais em fake news do que em um artigo científico publicado no The Lancet. Não podemos desistir. É preciso acabar com a narrativa de que o SUS não funciona”. Bem no seu estilo, arremata: “O SUS está vivinho da silva…” Veja a entrevista completa no link: https://cristianesegatto.blogosfera.uol.com.br/2019/11/20/o-sus-esta-vivinho-da-silva-e-o-sonho-de-consumo-em-muitos-paises/